Texto Completo


STF autorizou quebra de sigilo de investigados em inquérito contra Temer, diz PGR
Fonte : Estadão
A Procuradoria-Geral da República informou que o Supremo Tribunal Federal autorizou no dia 15 de dezembro do ano passado a quebra de sigilo bancário e fiscal de investigados - pessoas físicas e jurídicas - no inquérito que apura se o presidente Michel Temer editou um decreto para beneficiar empresas do setor portuário.

A PGR afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, ter feito os pedidos "por iniciativa própria" no dia 12 de dezembro e ter obtido a autorização integral do relator do inquérito, Luís Roberto Barroso, três dias depois. O órgão não informou o nome dos alvos das medidas solicitadas porque a investigação se encontra sob sigilo.

Além do presidente, são investigados no inquérito Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor de Temer e ex-deputado federal e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente dono e diretor da empresa Rodrimar. Todos negam irregularidades.

A Procuradoria-Geral da República não esclareceu se Temer foi um dos alvos do pedido de quebra de sigilo. O Estado apurou que a Polícia Federal havia solicitado, entre essas medidas, a quebra de sigilo do presidente. Mas cabe à PGR fazer a solicitação ao Supremo.

A informação da autorização para a quebra de sigilo foi revelada pela Procuradoria após o delegado Cleyber Malta Lopes, encarregado da investigação na Polícia Federal, ter encaminhado um despacho ao Supremo no qual mencionava a existência de medidas pendentes necessárias para o avanço do inquérito.

A PGR informou que, após a decisão de Barroso em dezembro, o órgão entendeu necessário estender a quebra de sigilo para uma outra pessoa jurídica, indicada pela PF, e fez a solicitação ao relator do caso. Posteriormente, ainda de acordo com a Procuradoria-Geral da República, a PF apresentou nova representação de quebra de sigilo bancário e fiscal.

"O MPF verificou que este pleito já estava contido no pedido apresentado em dezembro pela PGR, em maior extensão subjetiva. Quanto ao prazo, a PGR já requereu ampliação do período de quebra de sigilo, na forma sugerida pela PF", disse a PGR.

A Procuradoria acrescentou que ainda irá analisar o pedido de prorrogação do prazo para a conclusão do inquérito, que foi feito pela Polícia Federal na sexta-feira passada. Segundo a PGR, o pedido será analisado junto com as diligências feitas pela PF e as ainda pendentes.

Procurado, o Palácio do Planalto ainda não se manifestou sobre essa questão.

TELEFONEMA

Barroso telefonou no domingo para o delegado responsável pelo inquérito na Polícia Federal. Em despacho, o ministro afirmou que ouviu do delegado o relato de “algumas pendências” na investigação e a afirmação de que ele não divulgou informações sigilosas da investigação. “Assegurou-me s. sa. (sua senhoria) que nenhuma informação relativa a aspectos sigilosos do inquérito foi por ele divulgada a quem quer que seja e que conduz a apuração com toda a diligência e discrição que o caso impõe”, escreveu Barroso.

A divulgação de informações ou opiniões sobre o inquérito já motivou uma intimação ao diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, por parte de Barroso. O ministro cobrou explicações de Segovia, sobre as declarações em entrevista à agência Reuters, que foram interpretadas como um indicativo de que a investigação contra o presidente seria arquivada. Intimado, Segovia negou ter interferido no andamento do inquérito.
Data de publicação : segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

 

    ©2010 Krassine Soares Pinheiro Filho   -   Administrador